Impunidade

Estadão

10 Novembro 2009 | 12h34

Hoje completa um ano da morte de Alberto Milfont Junior, assassinado por um segurança nas dependências da loja Casas Bahia da Estrada de Itapecerica, no Campo Limpo, zona sul de São Paulo. Alberto, com 23 anos, foi comprar um colchão com a esposa Darilene e mais um amigo. Enquanto aguardava o pagamento das compras, o segurança Gilberto Silva Souza, de 29 anos, o abordou e o expulsou da loja. Houve uma discussão entre os dois, e o segurança acabou sacando a arma e atirando em Alberto. A vítima morava no Jardim Antonieta em Santo Amaro, periferia da cidade. Foi aluno da Casa do Zezinho entre 1995 e 2004. Em 2005, a ONG o encaminhou para o mercado de trabalho, onde atuou nas empresas Promom e na produtora de cinema O2. Alberto saiu da produtora para trabalhar com o tio numa pequena metalúrgica. Até hoje o segurança não foi punido.