Entrando nos trilhos, ou não

Estadão

22 Abril 2010 | 16h26

Os últimos dias de abril serão decisivos para o transporte ferroviário no Brasil. O edital para escolher quem vai construir o trem bala São Paulo-Rio-Campinas aguarda parecer do ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU) e depois vai para votação em plenário. Mas não há uma data prevista ainda. A expectativa é que a matéria integre a pauta de discussões do dia 28 de abril, próxima quarta-feira. Mas pode demorar mais um pouco, atrasando ainda mais o processo. O prazo regimental do TCU é até 19 de maio.

No Metrô de São Paulo, o consórcio Tração 3, integrado pela Alstom e pela Tejofran, venceu a concorrência que selecionou empresa para elaborar projeto, fornecer e implantar o novo sistema de terceiro trilho da Linha 3-Vermelha (Barra Funda-Corinthians/Itaquera). Esse terceiro trilho é o que alimenta a composição com energia elétrica e fica pouco acima dos trilhos por onde correm os trens, ao contrário das composições da CPTM, que são alimentadas com energia em fiação instalada acima do teto.

Mais três trens da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo chegaram ao Porto de Santos no último dia 17. Foram fabricados da Coreia do Sul. Outros cinco estrão sendo aguardados para os próximos dias e em julho mais oito composições devem chegar ao Brasil. A Linha 4-Amarela ainda está sem data para início de operação. Nessa fase serão abertas as Estações Faria Lima e Paulista, com três composições em uso.


Mais conteúdo sobre:

TAV; Metrô São Paulo