Nem o ‘deixa que eu empurro’ escapou
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nem o ‘deixa que eu empurro’ escapou

Edison Veiga

20 Julho 2012 | 15h00

ARTE URBANA

Em madrugada recente, um grupo de artistas resolveu colocar orelhas de burro nos cavalos do Monumento Às Bandeiras, o cartão-postal da cidade, conhecido como “empurra-empurra” ou “deixa que eu empurro”. Mas, calma, eles não estragaram a gigantesca escultura de Victor Brecheret (1894-1955). Feitas de plástico, as orelhas ficaram ali por cerca de 5 horas, tempo suficiente para que os artistas fotografassem o, digamos, novo visual do monumento. Depois, tudo foi retirado e deixado como antes.

“Aos nossos cavalos o eterno reconhecimento, aos burros o esquecimento.” Eis o mote da intervenção, batizada de A Revolta dos Burros. Com ela, os artistas do coletivo Nova Pasta pretendem proclamar o resgate histórico do burro como importante desbravador de caminhos pelo território brasileiro. E eles vão além: querem eleger o burro como novo símbolo do País.

As imagens dessa peripécia artística são alguns dos destaques da mostra Na Borda, que reúne, até 11 de agosto, trabalhos de nove coletivos paulistanos no Sesc Consolação (R. Dr. Vila Nova, 245, Tel.: 11 3234-3000). A programação completa do evento pode ser conferida em http://migre.me/9SMkG.

Publicado originalmente na edição impressa do Estadão, coluna ‘Paulistices’, dia 16 de julho de 2012

Tem Twitter? Siga o blog