Contra picadas, WhatsApp
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Contra picadas, WhatsApp

Pelo aplicativo, a identificação é mais ágil

Edison Veiga

26 Abril 2015 | 00h01

Foto: Camilla Carvalho/ Instituto Butantan/ Divulgação

Foto: Camilla Carvalho/ Instituto Butantan/ Divulgação


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Há um ano, um grupo fechado no WhatsApp – aplicativo para trocas instantâneas de mensagens por smartphones – foi criado para agilizar a identificação de animais peçonhentos. São dez médicos e oito biólogos do Instituto Butantan que, celulares à mão, ficam prontos para analisar imagens de cobras, aranhas, escorpiões e lagartas que chegam ao Butantan por meio de vítimas de acidentes ou por contato de hospitais. Até agora, mais de 100 bichos já foram reconhecidos desta forma – processo este que, por meio do aplicativo, tem levado de 3 a 6 minutos.

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde, em 2014 foram registrados em São Paulo 20 mil casos de acidentes envolvendo animais peçonhentos. Para as vítimas, a recomendação é lavar o local da picada com água e sabão, tomar bastante água e procurar o serviço médico o mais rapidamente possível.