As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A ‘vila da Fórmula 1’

Edison Veiga

22 Dezembro 2011 | 07h26

FOTO: JOSÉ LUÍS DA CONCEIÇÃO/ AE
Ontem, na rádio Estadão ESPN, contamos a história de um bairro de Santo André cujas ruas homenageiam a Fórmula 1. Trata-se do Conjunto Habitacional Ayrton Senna, cujas 18 ruas – endereço de 180 famílias – têm nomes de pilotos, equipes ou circuitos.

A avenida principal se chama Ayrton Senna da Silva. Há também a Rua Senninha, em referência ao personagem de histórias em quadrinhos que homenageia Senna, e a Rua Prost, em alusão ao ex-piloto francês Alain Prost. A Rua Suzuki é um caso mal contado: tem quem acredite que ela se refere ao ex-piloto japonês Aguri Suzuki, de inexpressiva carreira (sua melhor colocação em um GP foi um terceiro lugar). E há quem diga que se trata de uma atrapalhada referência a Suzuka, circuito japonês.

Por falar em circuitos, há outros autódromos homenageados. No bairro tem a Rua Interlagos, a Jacarepaguá, a Tarumã, a Ímola, a Monza e a Estoril. Existe também a Rua Tamburello, que se refere à famosa curva do Autódromo de Ímola, onde Senna sofreu o acidente que resultaria em sua morte.

As equipes não foram esquecidas. Mas, com exceção da Rua Ferrari e da Rua Sauber, todas as outras homenageiam times que não existem mais, como a Toleman, a Jordan, a Benetton, a Minardi e a Copersucar.

A história do bairro é contada pelos próprios moradores mais antigos. Quando Senna morreu, em 1994, o conjunto habitacional estava sendo formado. Aí a avenida principal foi batizada com o nome do ídolo brasileiro.

Pois bem, isso inspirou alguém a pintar o rosto do piloto, bem grande, em um muro na avenida. As outras ruas não tinham nome ainda: era rua A, rua B, rua C, rua D… Então os moradores fizeram reuniões para decidir como elas poderiam ser chamadas, e optaram por “padronizar” a temática. Em vez de homenagear figurões da política, resolveram transformar o bairro em “vila da Fórmula 1”.

A situação só foi regularizada em 13 de outubro de 2003, data da lei popular que nasceu da vontade dos moradores e passou pela câmara e pela prefeitura de Santo André.