Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » TCM suspende licitação para construção de 150 km de corredores de ônibus

São Paulo

TCM suspende licitação para construção de 150 km de corredores de ônibus

Diego Zanchetta

08 Janeiro 2014 | 14h54

COM CAIO DO VALLE

O Tribunal de Contas do Município (TCM) suspendeu hoje licitação de R$ 4,7 bilhões para a construção de 150 quilômetros de novos corredores de ônibus, principal projeto da gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). Segundo o presidente da corte, Edson Simões, faltam projeto básico e recursos assegurados no orçamento para a realização das obras.

“As causas que motivaram a suspensão dos editais são: projeto básico incompleto e falta de especificações técnicas; ausência de comprovação de recursos orçamentários suficientes para arcar com os custos das obras; falta de justificativa para a realização de concorrências individualizadas para cada uma das intervenções previstas no Plano de Mobilidade Urbana; procedimento de julgamento previsto no edital restringe a competitividade de participantes do certame; ausência de justificativa para o custo unitário adotado (CPU-148), que representa cerca de 11,7 por cento do total geral dos custos do empreendimento; falta de justificativa dos coeficientes dos materiais adotados para a CPU-133 e 184”, informou a assessoria do TCM.

A nota diz ainda que, por determinação do presidente Simões, o pacote de obras será auditado, concomitantemente, desde a fase inicial até sua conclusão. “Por envolver recursos federais e municipais, as obras serão fiscalizadas também pelo Tribunal de Contas da União”, informa a nota.

Notificada da medida de suspensão na data de hoje, a SPTrans tem prazo de 15 dias para o encaminhamento das respostas solicitadas pelo TCM.

O governo municipal disse que vai prestar as informações solicitadas.

“A decisão do TCM em relação à licitação para os corredores de ônibus é corriqueira, já tomada anteriormente pelo menos em duas questões (licitação de uniformes escolares e contrato de auditoria de transporte coletivo). O TCM deu prazo de 15 dias para a Prefeitura responder e nós vamos explicar que os recursos são federais, provenientes do PAC Mobilidade, e que existe projeto básico de engenharia e urbanismo”, informou a assessoria da Secretaria Municipal de Transportes.

PRIORIDADE

A gestão Fernando Haddad (PT) promete entregar 150 km novos de corredores até o fim de 2016. A Secretaria Municipal dos Transportes já havia preparado, no fim do ano passado, um projeto de 234 km de corredores, dos quais a previsão era de que 64 km começariam a ser construídos até março, em avenidas como Radial Leste, Aricanduva, na zona leste, 23 de Maio e Bandeirantes, na zona sul, segundo o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto. A previsão era de que ficassem prontos em dois anos. Agora, porém, a licitação poderá ficar parada por até seis meses no TCM, o que pode atrasar o projeto.

No caso do corredor da 23 de Maio, cada quilômetro custará, em média, R$ 29 milhões. Para efeito de comparação, um quilômetro de faixa de ônibus à direita custou cerca de R$ 50 mil. A diferença entre corredores e faixas exclusivas de ônibus é que o primeiro fica à esquerda e sofre muito menos interferências do que as faixas exclusivas, que ficam sujeitas a estacionamentos e conversões de carros à direita.

Especificamente, o BRT Norte-Sul, que utilizará o canteiro central de avenidas como Tiradentes, 23 de Maio, Rubem Berta e Moreira Guimarães, terá uma passagem subterrânea sob a Praça Campo de Bagatelle, em Santana, na zona norte, e três viadutos na região do Parque do Ibirapuera, na zona sul.

Avaliado em R$ 733 milhões, esse corredor contará com 34 paradas e 25,4 km de extensão, entre Santana, que ganhará um novo terminal de ônibus, e a região do Grajaú, na zona sul. Segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), a obra desse corredor começa nos próximos seis meses e acaba no fim de 2016, último ano do mandato do prefeito Fernando Haddad (PT).

 

Radial Leste, que receberia neste ano obras para faixa exclusiva de ônibus: suspensão das obras é novo golpe nas prioridades adotadas pela gestão Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato