Haddad desiste de vender rua no Itaim Bibi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Haddad desiste de vender rua no Itaim Bibi

Diego Zanchetta

04 Junho 2013 | 23h58

O prefeito Fernando Haddad (PT) comunicou hoje à Câmara Municipal ter desistido de colocar à venda uma rua sem saída de 589 metros quadrados no Itaim Bibi, na zona sul de São Paulo.

Acusado de tentar favorecer o mercado imobiliário por vereadores da oposição nas últimas sessões, Haddad retirou de pauta o projeto de lei que autorizava a venda, por R$ 5,83 milhões, da Rua Oswaldo Imperatrice, uma travessa da movimentada Rua Leopoldo Couto de Magalhães, área nobre da capital, onde o metro quadrado chega a custar R$ 20 mil.

A proposta foi apresentada em novembro do ano passado pelo ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) e revelada pelo Estado. A gestão Haddad manteve a disposição de concretizar a venda após a transição do governo. O projeto foi colocado na pauta de votação nas duas sessões extraordinárias realizadas na semana passada. No plenário, o vereador Andrea Matarazzo (PSDB) acusou o governo de “golpe” para favorecer construtoras com a venda.

Segundo moradores e comerciantes da região do Itaim Bibi, a rua seria vendida para a Birmann Empreendimentos, que comprou os terrenos no entorno da via. Na verdade, a empresa gerencia o projeto imobiliário no local para um grupo de investidores, a Faria Lima Traine Properties.

Ontem o líder de governo, Arselino Tatto (PT), comunicou aos vereadores sobre a desistência da venda. “Queria comunicar a todos a retirada de pauta do projeto e seu envio para o arquivo da Casa.”

Logo após o Estado revelar no final de novembro que Kassab pretendia vender a Rua Oswaldo Imperatrice, a Sociedade Amigos do Itaim Bibi entrou com ação na Justiça pedindo liminar para impedir a votação do projeto. O próprio Haddad foi informado na semana passada de que moradores no entorno eram contrários ao negócio e tinham buscado o Judiciário.

O prefeito também teve conhecimento de que a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp) apontou que a quantia pedida pela Prefeitura – R$ 5,8 milhões (R$ 9.900, o m²) – não corresponde ao valor de mercado da região. Segundo a entidade, o metro quadrado de um terreno na Avenida Brigadeiro Faria Lima custa o dobro, cerca de R$ 20 mil.

 


Rua Oswaldo Imperatrice, no Itaim: via seria vendida pela Prefeitura por R$ 5,83 milhões

Mais conteúdo sobre:

CâmaraHaddadItaim Bibi